8.11.08

cobertura

(O pessoal do LA Times anda especulando que Jackson chorava mesmo é de arrependimento pelas gafes que cometeu durante a campanha de Obama, tipo ser filmado pela Fox News reclamando que Obama estava criticando a comunidade negra. Jackson era, até terça-feira, o candidato negro que tinha ido mais longe nas eleições presidenciais: venceu 11 primárias em 1987 mas perdeu para Michael Dukakis.)
O veterano ativista político Jesse Jackson participou das marchasde negros lideradas em 1965 pelo reverendo Martin Luther King, Jr.no Alabama, em protesto contra as restrições da elite branca ao direito de votar. Em 7 de março daquele ano, mais de 600 manifestantesque tentavam marcharde Selma, epicentro dos abusos,à capital do Estado, Montgomery, para apresentar petição ao governador, foram reprimidos com cassetetes e gás lacrimogênio. Apesar de a segregação racial ter sido proibida pelo Congresso um ano antes, negros que tentavam se integrar em lugares públicos no Alabama ainda eram sumariamente espancados.

Nesta terça-feira Jackson tinhao rosto banhado de lágrimasde felicidade, enquanto esperava, no Grant Park, em Chicago, pelo discurso de Barack Obama, então já considerado o primeiro negro eleito presidente dos Estados Unidos. Em dois longos anos de campanha, Obama, 47 anos, montou formidável máquina política e arrecadou US$ 640 milhões, a maior parte com pequenas doações, usando a internet habilmente para mobilizar milhões devoluntários que energizaram o Partido Democrata e conquistaram novos eleitores. Obama derrotou o arsenal político do casal Hillary e Bill Clinton na épica batalha das primárias, e se beneficiou da crise financeira gestada há mais de um ano e que explodira dois meses antes do pleito.

3 comentários:

mr. emecê disse...

muito bom.

Palavras Cruzadas disse...

valeu EMECE
botei teu link na minha barra lateral

abs
(vai mandar a câmera?)
GREAT DEPRESSION II (c)

mr emecê disse...

Meu caro, como diria a personagem do book 3 do cursinho de inglês:
"it depends."
No momento preciso reavaliar a capacidade de endividamento e votar o orçamento 2009. Conversamos mais adiante.
GREATfuckinDEPRESSION II